A obra do Parque da Cidade de Esposende deverá arrancar ainda antes do verão. Esta é a previsão da Câmara Municipal de Esposende, que hoje aprovou o procedimento para o lançamento do concurso público da empreitada da requalificação da frente urbana do Parque da Cidade de Esposende, arruamento existente a nascente da área do futuro Parque da Cidade. A obra tem o preço base de 1.831.157.43 euros e um prazo de execução de 18 meses.

A intervenção corresponde à requalificação do troço compreendido entre o antigo Estaleiro Naval e a ponte D. Luís Filipe, abrangendo assim parte da Av. Eng. Eduardo Arantes e Oliveira e o trecho da Estrada Nacional 13 desde a rotunda da Solidal à denominada ponte de Fão, que inclui um troço da EN 13 agora desclassificado.

A intervenção segmenta-se em dois trechos, sendo que o primeiro, que compreende o percurso da Av. Eng.º Eduardo Arantes de Oliveira até à rotunda, prevê a continuidade da ciclovia e a calçada de calcário, a completar com um passadiço paralelo integrado no Parque. No segundo trecho, da rotunda à ponte, será dada continuidade à ciclovia do lado poente e reorganizado o espaço urbano de nascente com estacionamento e passeio em calçada, criando-se ainda uma frente arborizada para enquadramento das edificações existentes.

A pavimentação do troço da EN 13 será financiada pela IP- Infraestruturas de Portugal, no âmbito da requalificação desta via que está prevista, clarificou o Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, para quem o procedimento hoje aprovado, que possibilitará a execução da nova frente urbana do Parque e dos seus principais acessos, constitui “o primeiro passo para a concretização efetiva do futuro Parque da Cidade”.

Benjamim Pereira adiantou, a propósito, que o Município formalizou, esta semana, a promessa de compra e venda com os proprietários de seis dos 20 terrenos necessários à criação do Parque da Cidade. No âmbito deste processo, decorrem, assim, as negociações com vista à aquisição das demais parcelas e/ou expropriação dos terrenos em que não houver entendimento.

Ainda que o Município tenha garantido o investimento para a concretização do projeto do Parque da Cidade, por via da contração de um empréstimo, o autarca manifestou a expetativa de este que possa beneficiar de fundos comunitários, nomeadamente para esta primeira intervenção, de requalificação urbana, ao abrigo do “Portugal 2030”.

O projeto do Parque da Cidade integra o plano de desenvolvimento do concelho preconizado pelo Município, nomeadamente numa ótica de valorização do território, estratégia enquadrada nos eixos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

Comentários Facebook

Comentar